quinta-feira, 16 de agosto de 2012

A farsa do Ideb


Vários jornais do Rio de Janeiro noticiaram nesta quarta-feira a mudança de posição do estado na avaliação do Ideb, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Passamos do 26º lugar (o penúltimo do país) para a 15ª posição. Mas, tal ascensão, não representa uma real melhora no nível do ensino. Como professor da rede pública de ensino, devo esclarecer alguns pontos. 

Desde o ano passado, o Governo do Estado (já com ambições presidenciais?!?) tem investido em planos e projetos para reverter esse quadro vergonhoso, sendo todos eles focados no aperfeiçoamento do professor. Afinal, os alunos sem perspectivas e desinteressados nada tem a ver com isso. A culpa, obviamente, recai sempre do professor.

De todo o planejamento e conversa fiada governamental, o que mais interessou aos docentes foi a possibilidade de uma remuneração de até três salários para os professores das escolas que alcançassem a pontuação almejada. As unidades seriam avaliadas, entre outras coisas, pelos índices de evasão e aprovação escolar. Disso, resultaram duas ações já esperadas: (1) o aumento do número de alunos-fantasmas, ou seja, aqueles que só aparecem na lista de chamada, mas nunca frequentam as aulas ou o fazem só uma vez por mês; e (2) a aprovação quase maciça, através de trabalhos e diversos meios que ajudem na pontuação do aluno. 

Sejamos sinceros: qual professor mal-remunerado abriria mão da oportunidade de receber um pomposo benefício para reter alunos para quem a reprovação não tem qualquer valor?!? Com esse resultado, cria-se um sistema onde todos ficam felizes: os alunos obtém a aprovação, os professores recebem o benefício e o Governo melhora suas estatísticas. O que interessa são os números, seja no boletim ou na conta bancária. Não ficarei surpreso se, no próximo ano, o Rio de Janeiro estiver entre as primeiras posições. 

4 comentários:

  1. Nossa esse tipo de notícia me deixa triste e com vergonha. Qué péssimo!
    http://pitadadecinema.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Não muda nada mesmo não... é a velha tecla que todos nós batemos sempre, enquanto outras coisas continuarem sendo prioridade, a educação deste pais vai ser sempre essa m$%¨# que estamos habituados a ver.

    ResponderExcluir
  3. o brasil é o país da pilantragem

    ResponderExcluir
  4. E precisa de alguém que queira comanda com pulso esse país colocando tudo em ordem e tendo uma enorme qualidade de administrador para mexer e fazer um bom governo. Espero que Dilma faça algo ,pois se ela foi aceita pelos votos ela deu sonhos a muita gente e por isso tem que cumprir com o que disse para não frusta esse país tão frustado.

    ResponderExcluir