quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Já é Natal


Tempo de dar e receber presentes...
Meias e cuecas compradas pelas tias;
Aquele CD em promoção nas Lojas Americanas;
Sabonetes de erva-doce na Natura.

Tempo de comidas típicas...
A tradicional rabanada da avó;
O peru que, obrigatoriamente, deve ser oferecido pela dona da casa;
Castanhas, nozes, avelãs e todo tipo de comida que não combina com nosso clima tropical.

Tempo de ouvir as mesmas piadas infames...
Vai cair de boca no peru, né!!!
É pavê ou pra comer?!?
Quer ver o saco do Papel Noel?!?

Tempo de...
Fazer as pazes;
Relembrar os ausentes;
Sorrir com as crianças.

Tempo de união, amor e paz.

Viva Jesus!!! Feliz Natal!!!


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

"Conselho de Classe"


Esse novo quadro do Fantástico retrata a realidade das salas de aula em uma escola municipal no Rio de Janeiro. Mas, será mesmo a "realidade"?!?

Antes de tudo, destaco que é sempre positivo mostrar o cotidiano do magistério e as dificuldades que enfrentamos, como as alunas que se maquiam no fundo da sala, os meninos passeando durante a explicação, as respostas malcriadas; isso sem falar na dupla ou tripla jornada de trabalho. Afinal, toda escola pública que se preze tem uma professora representante da Natura!

Mas, contudo, porém, no entanto... tenho algumas ressalvas sobre o quadro:

1ª - Os professores que aceitaram participar do programa são retratados de forma estereotipada: o hiperativo, o linha-dura, a mãezona... quando na verdade, nenhuma pessoa possui apenas uma faceta. Mas o que se esperar da televisão, né?!? É a novelinha do magistério.

2ª - A instituição retratada (Escola Municipal República do Peru) possui um dos melhores índices de avaliação do município, ou seja, não representa a realidade da imensa maioria das escolas da cidade! Ouço professores dizendo que se todos os alunos fossem como aqueles, seria fácil dar aula no município, seria um paraíso! Por que não escolheram uma unidade com uma avaliação baixa, dentro de comunidade e que não possua tantos recursos audiovisuais?!?

3ª - As gravações começaram no segundo semestre, quando muitos alunos já estão com notas baixas e tentam se recuperar no tempo que lhes resta, logo, ficam mais calmos e atentos às aulas. Queria ver se fosse no primeiro mês de aula!!!

4ª - Ninguém consegue ser 100% natural diante das câmeras. Uns gostam de aparecer (inclusive professores), mas a maioria se acanha. Afinal, seria um "mico" em rede nacional!

Apesar disso, qualquer luz que seja colocada sobre a educação é uma forma de mostrar o quanto o nosso país ainda é carente na área. Não basta investir em tecnologia, é preciso valorizar o material mais precioso: o humano.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Síndrome de Crouzon

Nas raras imagens em que a vi, fiquei intrigado com a aparência de Rafaela, filha de Ticiane Pinheiro e Roberto Justus. Cheguei a suspeitar que talvez ela fosse portadora de alguma doença, mas como nunca houve um pronunciamento dos pais a respeito, achei que seria apenas uma (desculpe o péssimo termo) "falta de sorte genética".


Pois bem, acabei de descobrir que não estava tão errado assim. A criança sofre de uma rara doença - a Síndrome de Crouzon -, que pode estar relacionada com a idade paterna avançada. Fiquei chateado por já ter feito comentários maldosos sobre a aparência da menina e, motivado por isso, decidi fazer uma postagem informativa sobre o assunto. Leia, informe-se e, se interessar, divulgue.

"Sindrome de Crouzon ou Disostose - Também conhecida como disostose de crânio-facial, a síndrome de Crouzon é uma doença rara, caracterizada por uma mutação genética, que causa má formação óssea e afeta o desenvolvimento do crânio na região da face. (...)

Esta síndrome traz deformidade craniana e facial, além de expor o globo ocular a uma situação anormal, levando-o a ficar extremamente fora da posição normal. Todas estas características trazem consigo uma grande dificuldade no desenvolvimento neuropsicomotor dos indivíduos portadores desta síndrome. (...)

Estudos recentes mostram que crianças portadoras desta síndrome possuem quociente intelectual (QI) médio de 84, o que nos traz evidências de que estes pacientes tem seu desenvolvimento intelectual seriamente afetado."

"O tratamento desta doença é multidisciplinar. Existe a opção do tratamento cirúrgico, altamente complexo e que envolve diversas etapas.

Oferecer qualidade de vida aos pacientes portadores dessa síndrome é o objetivo da abordagem terapêutica, sendo assim, o tratamento sintomático e de suporte com próteses auditivas, fonoterapia, fisioterapia, psicopedagogia, orientação familiar, aconselhamento genético, ensino da fala, leitura labial, escola especial cooperam na busca de uma melhor qualidade de vida."

Fontes:

http://blogdodudueamigos.wordpress.com/2011/03/24/sindrome-de-crouzon-mais-uma-doenca-genetica-rara/

http://www.infoescola.com/doencas/sindrome-de-crouzon/


domingo, 27 de novembro de 2011

Papo de taxista

A conversa a seguir aconteceu entre uma colega professora e um motorista de táxi. Ele reclamava dos colegas de escola do seu filho que faziam piada com o nome do garoto, Luther King.

_ Pois é, eles ficam fazendo piada com o nome do meu filho. Eu perguntei a eles, "Vocês sabem quem foi Luther King? Gandhi? Cabral?"

_ Ah, Cabral descobriu o Brasil! - eles responderam

_ É, mas vocês sabem como ele descobriu o Brasil?

Os jovens permaneceram em silêncio e o homem começou sua explicação.

_ Tinha um homem que ia invadir a Europa. Não consigo lembrar o nome dele agora... Napoleão??? Não, Napoleão era brasileiro!

A professora, atônita, não sabia como corrigir o homem, mas sentiu-se na obrigação de esboçar algum comentário:

_ Ai, também não consigo me lembrar o nome dele agora!

E o motorista prosseguiu:

_ Bom, isso não tem importância! Então, esse homem ia invadir a Europa, aí todo mundo fugiu de lá. Foi assim que o Cabral descobriu o Brasil, Colombo descobriu a América...

A professora respirou aliviada porque seu ponto havia chegado.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Sobre preconceito e hipocrisia


Considero uma hipocrisia quando ouço alguém dizer que não tem qualquer tipo de preconceito. Isso é impossível! Caso contrário, não teríamos tantos conflitos motivados por rejeições. Somos humanos, e como tais, cheios de falhas e em constante processo de mudança. E é uma tremenda covardia não aceitar essas imperfeições e associar o preconceito a outros motivos que não os verdadeiros, como cor, origem ou opção sexual.

Quem nunca proferiu ou ouviu declarações do tipo "Tinha que ser preto!", "Vê se deixa de viadagem, porra!", "Que gorda invejosa...", "Aquele paraíba safado!" e outras afins?!? Até mesmo na tentativa de ser elogioso o preconceito pode aparecer, como na frase "Que preta bonita!", que nunca é ouvida na versão "Que branca bonita!"; como se a primeira fosse uma exceção à regra.

Nosso país, apesar de sua imensa diversidade, talvez seja um dos lugares onde esse mal está mais arraigado, pois praticamos o preconceito velado. Ao contrário dos EUA ou da África, onde se sabe muito bem o que é "território de preto" e "território de branco", fingimos uma naturalidade que vai por água abaixo ao tentarmos fazer uma simples compra numa loja onde, teoricamente, não pertencemos.

Aparentamos ser um povo muito justo, desde que o negro continue nas favelas e escolas de samba, o nordestino nas portarias e na construção civil, o gay no salão de cabeleireiro, a gorda não sente ao seu lado na lotação e os mendigos debaixo dos viadutos. Sim, somos uma nação preconceituosa! E como todo processo de cura, o primeiro passo é admitir essa verdade. Caso contrário, continuaremos com nossos sorrisos amarelos e nossas máscaras de aceitação fantasiando essa hipocrisia.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

O novo sempre vem


Não existe lugar onde algo se torne tão rapidamente ultrapassado quanto o mundo virtual. A cada dia são novos serviços, sites e redes sociais que fazem uma semana sem conectar parecer uma eternidade. Mas eu gosto de simplificar. Tenho apenas um e-mail (já tive uns quatro ou cinco), um blog (também já tive mais de um ao mesmo tempo) e um perfil em rede social. Ou tinha até há pouco.

De repente, meu bom e velho Orkut, onde reúno meus amigos (e colegas), partilho minhas fotos e participo de discussões em comunidades, está sendo substituído pela febre do Facebook. Tem sido um êxodo em massa! E há quem fique com os dois, postando as fotos e mantendo tudo atualizado. Haja tempo e disposição!

Já havia aberto uma conta no Facebook para experimentar a "novidade" e, sinceramente, não vi nada de extraordinário. Fora o layout mais limpo, não vi graça naquele lugar. Desativei a conta. Tempos depois, descobri que é possível divulgar o blog por lá e a reativei. Quanta gente encontrei por lá! Todos "desertores" do Orkut. Mas a questão prevalece: o que tem de mais???

Acredito que seja muito interessante para quem possa ficar todo o dia on line mandando recadinhos - muitos pelo celular. No mais... Fotos? A outra rede também tem. Me cadastrei em um grupo, e as mensagens vêm todas por e-mail!?! Cadê as comunidades??? Horóscopo do dia? Curtir? Cutucar? Joguinhos? Fala sério... Conheço muitas pessoas que pensam como eu, mas já estão lá para não ficarem de fora do mundo virtual.

Já fui até chamado de preconceituoso e antiquado, mas será que tudo que é novo sempre é melhor??? Eu não desisto do Orkut! E creio que o tal Facebook terá o mesmo fim que o MySpace. Quem viver (on line), verá!

P.S. - Se alguém puder me mostrar quais as verdadeiras vantagens do Facebook, aceitarei com prazer.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Esperei por isso

Aí vai mais uma daquelas bobagens que a gente recebe por e-mail ou esbarra na internet e se sente na obrigação de compartilhar com os amigos. Afinal, quem nunca torceu para que um dia isso acontecesse??? Só faltou o maldito do Pica-Pau, mas a hora dele também vai chegar, hehehe...

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Acontece no Twitter


Sabedoria em 140 caracteres. Todos os textos foram extraídos dos meus "seguidos" nesta tarde tediosa. Ainda bem que não sou o único desocupado, rs.

Saddam Hussein - Osama Bin Laden - Gaddafi - Rafinha Bastos

Horário de verão + temperatura de inverno = Jet Leg.

Goleiro Bruno diz que Kadafi está vivo.

É Kada fi da puta que aparece nesse mundo.

Ladrão é preso nos EUA por defecar nos carros que roubava.

São Pedro, quando está entediado, fica a procura de pessoas que acabaram de lavar o carro.

Sabe o q q vai virar o humor desse país? Galinhas cantantes, dinossauros roxos e tudo q comece com "oi amiguiiiiinhos".

'Fim do mundo' ocorrerá nesta sexta-feira, diz pastor americano.

Já pensou? nasce menina. Daqui a 18 anos o Rafinha namora a filha da Wanessa e fala: "EU NÃO DISSE QUE COMIA?"

Brasil, o país onde humor é levado a sério demais e a politica levada na palhaçada!

É a primeira vez que um filho dar a luz para a mãe. Seja bem-vinda à mídia, Wanessa!

Médico de Michael Jackson cometeu 17 falhas graves, diz especialista.

Decifrem o enigma: Luana Piovani dá suposta alfinetada em Dieckmann e Bündchen.

Twitter: o obituário mais bem humorado do mundo.

É isso. Agora vou trabalhar, senão esse país não vai pra frente!!!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Rafinha, Gisele e o metrô


Gosto do humor de Rafinha Bastos. É crítico, ácido, muitas vezes ofensivo. Segue a linha do stand up americano, que conheceu quando morou por lá. Daí chamar Daniela Albuquerque de "cadela", o famoso "bitch" tão utilizado pelos gringos. No entanto... às vezes ele perde a linha, e foi assim em relação à Wanessa. Um pedido público de desculpas e a retratação no programa seriam suficientes, mas a emissora e a sociedade preferiram execrá-lo. Lamentável também foi a crítica de seu colega de bancada, Marco Luque, amigo de Ronaldo, que é sócio do marido da cantora. Espero que Rafinha tenha uma segunda chance. Ele é talentoso e merece.

E será mesmo que alguém se sentiu ofendido ao ver Gisele Bündchen de lingerie?!? Aposto que muitas mulheres riram da piada e devem, até mesmo, já ter usado este artifício de "distração" ao anunciar uma má notícia a um homem. Se alguém tivesse que se sentir ofendido, certamente seríamos nós, homens, por sermos considerados tão tolos ao ponto de ignorar qualquer catástrofe por um belo "rabo de saia". Mas quer saber de uma coisa? Nós somos assim mesmo! E como gostamos de ser enganados, rs.

E a chateação continua, dessa vez sob trilhos. Agora é o quadro "Metrô Zorra Brasil" que está na mira da ministra, após queixa dos metroviários. As bolinadas à estranha Janete - como se isso não acontecesse na vida real - e o incentivo de Valéria não estão sendo vistos com bons olhos. E você achava que ninguém assistia ao programa, né? Em uma época hipócrita e politicamente correta, o que seriam do negro Mussum bebendo cachaça aos domingos em horário nobre??? Ou do homossexual "seu" Peru insinuando que quase todos os grandes nomes da história também faziam parte do "reduto"???

Imagino quantas pessoas não se tornaram alcoólatras, gays ou maníacos sexuais devido à forte influência negativa dos personagens de antigamente! Tempos difíceis eram aqueles em que, indefesos, não contávamos com políticos, mas somente com o bom senso e a vigilância de nossos pais para nos defender.


terça-feira, 4 de outubro de 2011

Coisas que preferia não ter visto (último post sobre Rock in Rio)

Milton Nascimento cantando "Love of my life". Fred Mercury ainda deve estar se revirando no túmulo.

Claudia Leitte rodopiando no ar, depois de tentar uma postura rock n´roll.

Elton John entre os shows de Katy Perry e Rihanna. Nem quis voltar para o bis e o seu público ficou esperando "Your song".

O beijo entre Bebel Gilberto e Sandra de Sá.

Milton Nascimento de volta no segundo dia. Errar é humano, mas repetir o erro...

Snow Patrol errar seu único hit. Acabou com o clima da música.

Excesso de pessoas usando a camisa com a imagem do filho da Cissa Guimarães. Deixem o cara descansar em paz, pô!

Ke$ha. Pelo conjunto da obra. É lixo pop de primeira! O que ela fazia naquele palco???

Maná. Quem teve a infeliz ideia de convidar essa banda???

Axl Rose errar as letras de "November Rain" e "Patience". Sem falar no visual Bob Esponja. Ou seria Dick Tracy?

Os comentários de Beto Lee & cia. na transmissão do Multishow. O mesmo vale para Zeca Camargo e André Marques na Globo.

Não é fácil a vida de telespectador, rsrsrs...

O que vi e gostei - "Rock in Rio"


23/09
Na noite mais pop do festival, Katy Perry divertiu e encantou. De quebra, ainda transformou Julio de Sorocaba na mais nova sub-celebridade instantânea do país.

24/09
Mike Patton é sempre uma incógnita, mas nunca uma decepção. Vê-lo cantando em italiano com a Orquestra de Heliópolis foi sensacional. Isso é rock n´roll!

25/09
Metallica foi simplesmente perfeito! Nunca fui a um show de heavy metal, mas senti muita vontade de estar naquela plateia. Sepultura e Slipknot também foram foda!!!

29/09
Stevie Wonder é o cara! Preciso dizer mais alguma coisa?

30/09
Não vi nada nesse dia. Fui para a pista. Na verdade, só assisti ao começo do show da Shakira, depois dormi.

01/10
Não curto muito o som do Coldplay, acho as músicas meio depressivas. Só gosto de algumas, "Clocks" em especial. Mas os caras são muito bons ao vivo, bem melhor que ouvir o CD é vê-los no palco. Curti o show.

02/10
Guns n´Roses nunca será o mesmo de 1991, mas foi melhor que o de 2001. Quem esperou até as 02:44h viu Axl cantando bem e mais simpático que de costume, mesmo errando algumas letras e a banda tropeçando em alguns solos. GNR já é parte da história do Rock in Rio.

Algumas atrações do Palco Sunset deveriam estar no principal, como Mike Patton, Sepultura, Joss Stone e Titãs; já outras, espero que não voltem ao RiR.

Melhores shows? Metallica, Stevie Wonder e Coldplay, nessa ordem de preferência.

Agora, é esperar 2013. Ou ir à Madri, Lisboa...

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

E o "Rock in Rio", hein?

Muito tem sido falado sobre as atrações desse Rock in Rio. Bom, estas mesmas pessoas que reclamam de Claudia Leitte e cia. ainda não devem ter percebido que o evento está longe de ser um culto a esse gênero musical, mas um grande - dizem ser o maior - festival de música, que abrange os mais diversos estilos desde sua criação.

Basta lembrar que a primeira atração, a que deu partida à maratona de shows e inaugurou a história do evento, foi Ney Matogrosso. Nessa mesma edição, ainda cantaram Gilberto Gil, Elba Ramalho, Pepeu Gomes... Nunca foi somente rock e, nos últimos anos, nem mesmo no Rio. Mais que uma promessa, Rock in Rio é uma marca, onde quer que esteja e - pasmem! - visa o lucro. Medina sabe o que faz e não quer perder dinheiro com isso.

Contudo, seria injusto não realçar que grande parte do festival - três das sete noites - é realmente dedicada ao rock. Vai desde Capital Inicial a Motorhead, passando por Sepultura, Metallica e o onipresente Guns n´ Roses. Há atrações para quase todos os públicos, basta escolher o dia que mais lhe agradar. Por enquanto, felizmente, ainda estamos a salvo de sertanejo, funk e forró.

sábado, 24 de setembro de 2011

Meu "Rock in Rio"


Eu tinha apenas nove anos em 1985, quando ocorreu a primeira edição do Rock in Rio. Um grande alvoroço se formando pela magnitude do evento e a vinda de vários artistas internacionais ao país. Fiquei doido para ir ao show da Nina Hagen, toda extravagante, colorida e exótica; e também da Blitz, a primeira banda da qual me tornei fã. Se eu fui? Com apenas nove anos? Ainda não foi dessa vez.

Na segunda edição, em 1991, fiz uma maciça campanha familiar com panfletos, matérias de jornais e tudo que descrevia a estrutura e o sistema de segurança que seriam adotados no Maracanã, novo palco do evento. Consegui comover meu pai e ganhei o ingresso para assistir ao Guns n´ Roses - maior banda da época - e Faith No More. Era o primeiro show da minha vida e fiquei totalmente perplexo em meio àquelas quase 200 mil pessoas que lotaram o estádio. Indescritível!

Quando ninguém mais acreditava, o Rock in Rio voltou em 2001. Resgataram o Guns n´Roses, que amargava a decadência e o ostracismo, e lá fui eu para o show dos caras novamente. No mesmo dia teve Oasis (ignorado pelo público que aguardava Axl), Ira, Ultraje a Rigor e a fatídica chuva de garrafas d´água sobre Carlinhos Brown. Com o cenário pop em alta, participaram também Sandy & Junior, N´Sync e Britney Spears. É... eu fui, rs.

A versão de 2011 vem com uma mega-estrutura! Os show não me atraíram muito, por isso, vou assistir a tudo em casa pelo Multishow; mas fiquei na vontade de conhecer a nova Cidade do Rock, em especial, a Rock Street, inspirada em New Orleans. O rock tá mais no nome que em qualquer outro lugar, já que apenas duas das sete noites são totalmente dedicadas ao gênero. O pop continua em alta e os preços mais ainda. Para mim, esse ano é "Rock in casa". Mas quem sabe em 2013?!?

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Balas perdidas


Após um longo e tenebroso inverno... Na verdade, não foi nada disso. Apenas estava meio enrolado com assuntos de trabalho. E logo depois do aniversário! Deve ser o tal do "inferno astral" que tanto falam. Tudo resolvido, estou tentando voltar à programação normal.

Outro dia vi Mike Tyson na televisão e me lembrei da fatídica luta em que o "faminto" atleta arrancou um pedaço da orelha do Evander Holyfield. O quão grande não deveria ser o desespero dele ao perceber que não ia bem na luta a ponto de perder totalmente o controle e tomar uma atitude desesperada dessa. Foi uma cena surreal.

Há pouco presenciei uma cena parecida. Agressões não em forma de mordidas, mas de palavras levianas atiradas em todas as direções. Uma generalização descabida que não escolheu alvo. Sobrou até pra mim que, atônito, tentei me manter distante da discussão, mas tudo tem seu limite e, como dizem, "não tenho sangue de barata".

O melhor de tudo é a pessoa, dias depois, vir te cumprimentar como grande amigos que nunca fomos e como se nada tivesse acontecido. Tá aí um tipo de pessoa que eu não quero na minha vida. É "bom dia", "boa tarde" e "tchau".

Mas, no pender da balança, as coisas têm dado certo e o bem tem vencido o mal. Então, é bola para frente e força, Flamengo!!!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Envelheço na cidade

E assim completo mais um ano. Um período de muitas realizações, poucas frustrações e uma busca constante pelo caminho ideal. É engraçado como tudo é diferente do que planejamos. Sempre. Mas isso não representa uma decepção, ao contrário, as mudanças são presentes inesperados que devem ser vistos com o olhar ingênuo de uma criança.

Chegando aos 36, não me tornei rico, famoso ou um astro do rock, no entanto, a vida me presenteou com uma filha linda, um casamento feliz, bons amigos e a sabedoria para perceber e aproveitar cada pequeno momento. Os planos ainda são muitos, e cada vez surgem mais, afinal, o que são 36 anos diante da eternidade???

Feliz aniversário para mim!!!

segunda-feira, 5 de setembro de 2011


"Não é preciso ter pressa. Tudo chega a seu tempo.
Não se pode colher nada antes que amadureça.
A fruta colhida verde é azeda ou amarga."
(William Shakespeare)

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Como arruinar uma reunião de família


Diga àquela sua tia como ela engordou/envelheceu.

Pergunte ao seu primo gay não assumido quando ele vai arrumar uma namorada.

Diga que a comida estava melhor no ano passado.

Implique com as crianças até elas chorarem.

Dê uma cima da namorada do seu primo nerd.

Relembre todos os apelidos constrangedores possíveis.

Embebede seus tios.

Puxe conversas sobre futebol, política ou religião, e saia de perto depois.

Esconda cinzeiros e cigarros.

Critique os maus modos deles à mesa.

Quando ouvir uma fofoca, vá correndo contar para a pessoa que foi o alvo.

Diga àquele parente vagabundo que já está na hora de ele arrumar um emprego.

Pergunte ao primo com mais de trinta quando ele vai sair da casa dos pais.

Se for elogiado, finja que não se importa.

Se for criticado, aponte os defeitos dos outros.

Não finja que lembra de determinado parente, diga a verdade.

Relembre todos os parentes mortos.

Troque o ritmo da música quando todos estiverem animados.

Não ceda sua cama caso algum parente vá dormir na sua casa.

Distribua a tarefas para a arrumação no fim da festa.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Etiquetas

Gostaria de saber que mente brilhante considera uma boa ideia costurar uma etiqueta grande e áspera bem no meio da parte traseira de uma cueca samba-canção!?! Será que alguém se sente à vontade com aquilo no meio do rego?!? Passo logo a tesoura!
*
Não entendo os caras que saem com travestis. Será que acreditam que transar com um homem de aparência feminina (mas nem tanto) torna o ato menos homossexual?!? Pois, uma coisa é certa, não é uma mulher que estão procurando, já que - segundo relatos - , na "hora H" é o traveco que tem que funcionar.
*
Hoje li sobre um professor inglês que tem "vida dupla" trabalhando como stripper e ator pornô. Não vejo problema algum, exceto pelo fato dele ensinar educação sexual para crianças entre 10 e 12 anos. Talvez seus valores sejam "mente aberta" demais para os pais dos menores. Pois é, até na Inglaterra professor tem que arrumar um por fora. Ou por dentro, sei lá.
*
É uma sensação muito estranha sonhar que se está brigando com uma pessoa. Às vezes, o sonho é tão real que chegamos a ficar com raiva da pessoa, sem a coitada nos ter feito nada na vida real. Mas alguma coisa isso deve significar, só não sei o quê.
*
Fã é mesmo um ser muito louco. Mal saíram imagens da gravação do novo Batman - "The Dark Knight Rises" (no Brasil, "O Cavaleiro da Trevas Ressurge", estreia dia 27 de julho de 2012!!!) - e já falam mal do uniforme da Mulher-Gato sem as orelhas, do roteiro e do que mais for considerado uma "falta grave" pelos batmaníacos. Detalhe: nada é oficial, são apenas spoilers. Santo fanatismo, Batman!

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

O dom do esquecimento


Sou muito perfeccionista e, por consequência, muito exigente. Acredito que todos devem sempre fazer o seu melhor e costumo cobrar dos outros a dedicação que eu mesmo teria. É uma péssima filosofia de vida, gera muitas frustrações, mas sou assim.

Esse nível de exigência estende-se, principalmente, a mim mesmo. Já passei horas me remoendo de remorso e quase perdi noites de sono por ter feito ou dito algo que não devia. Pior ainda quando a culpa é por omissão!

No entanto, com o tempo e a experiência aprendi que, assim como o leite derramado ou a flecha lançada, não dá para voltar atrás. O melhor mesmo é assumir o erro e fazer "cara de paisagem", como se aquilo não tivesse a menor importância. E não tem mesmo.

A bebida ajuda muito nesse processo de esquecimento! Sou um daqueles felizes beneficiados com uma recorrente "amnésia alcoólica", ou seja, quando o efeito passa me esqueço de muita coisa. E se não lembro é porque não fiz, certo?!?

É nessas ocasiões podemos contar com aqueles amigos sóbrios e chatos, que fazem questão de lembrar cada detalhe, palavra e bobagem da noite anterior. Talvez seja mais importante para eles. Quanto a mim, aperto o botão do "Foda-se" e sigo em frente, pois tenho mais com o que me preocupar.

É bom saber que estou preenchendo vidas vazias. Que venha a próxima, então!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

É da idade


Ontem, tomava meu café durante um intervalo no trabalho, quando três colegas se aproximaram. Todas sexagenárias, portando suas xícaras com chá de camomila. Começaram, então, um animado bate-papo. O assunto? Doenças, médicos e remédios. Uma troca de receitas e diagnósticos, avaliações a respeito de clínicas e tratamentos. Calado estava, calado permaneci. Para mim, não há assunto mais desinteressante que doença. Mas, enquanto observava o diálogo, me questionava se também ficarei assim quando tiver essa idade.

Em cada fase da vida temos diferentes interesses e motivações. Na infância, isso não é tão nítido, mas com o passar do tempo, isso fica mais aparente. E varia também por sexo.

Na adolescência, meninas gostam de roupas, cabelo, maquiagem, ídolos teen e falar mal de outras garotas. Quando crescem, abandonam os ídolos teen e procuram um relacionamento sério. Aí vem gravidez, maternidade, "aquele traste que eu tenho lá em casa" (também conhecido como marido) e cirurgias plásticas.

Garotos gostam de brinquedos, futebol, carros e mulheres. E não importa a idade! Exceto no caso das mulheres.

Como ninguém é jovem para sempre, só nos resta aproveitarmos cada etapa da melhor maneira possível, tenha ela sabor de jujubas, cerveja ou Viagra.


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Palavras Pequenas


Ontem estive revisitando o passado. Na verdade, apenas reli alguns textos do meu mais duradouro e promissor blog, o "Palavras Pequenas" (www.palavraspequenas.myblog.com.br). Fiquei surpreso com o conteúdo das postagens e a qualidade de alguns escritos que nem lembrava de ter feito.

Era 2007, uma época em que tinha tempo suficiente para trabalhar as palavras e procurar a melhor combinação. Cortava, acrescentava, fazia rascunho e só no dia seguinte relia para, então, publicar o texto. Assim, nasciam cinco, seis, sete parágrafos. Dava trabalho, mas valia a pena. E o melhor de tudo: não era preciso fazer propaganda nas redes sociais, pois havia blogueiros-leitores-amigos fiéis, e também curiosos que apareciam esporadicamente.

Hoje, a realidade é outra. Minha rotina mudou e, também, as responsabilidades. Já não é possível deixar um texto descansar como uma massa de pão, tudo é escrito direto no blog, quando o tempo permite. Além disso, viciados na literatura dos 140 caracteres, não temos mais paciência ou disposição para ler trinta, quarenta linhas. Estamos cada vez mais telegráficos, concisos, com poucas palavras.

Em tempo: sim, o nome do antigo blog foi inspirado em uma música da Cássia Eller, assim como este em uma música do Legião Urbana. Sou um rock star frustrado, rs.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Do lado de lá


Ouvi dizer que favela tá na moda. Depois de pacificação, implantação de UPP, turismo alternativo (leia-se passeio pela comunidade), hostels e teleférico no Complexo do Alemão, a curiosidade de quem mora "no asfalto" parece aguçada em conhecer a "realidade" da vida na favela. Já escutei até que é algo exótico. Ora, para mim, exótico é lhama e ornitorrinco. Favela não é zoológico!

Todos se dizem muito maravilhados com o que vem acontecendo nos morros do Rio de Janeiro, onde agora é possível entrar e sair a qualquer hora, mesmo que você não seja a Regina Casé nem um morador local. Mas quantos desses ilustres visitantes largariam o conforto de seus lares por uma casa na favela??? Nenhum!!! Se é tão bom, por que não vão para lá?!?

Isso tudo é mera hipocrisia. Luciano Huck é "amigo" do líder do Afroreggae e faz várias visitas às comunidades, mas não esquece de registrá-las para a audiência do seu programa. Caetano faz show na favela, e lá não volta nunca mais. Até mesmo os grupos de pagode que surgem na periferia, quando fazem sucesso têm como primeira providência comprar um imóvel em um bairro "chique", ou seja, bem longe de suas origens. E só retornam para fazer umas comprinhas...

Nada contra esse "intercâmbio cultural". Todos devem ter o direito de ir e vir, subir e descer o morro; mas que não o façam com a admiração e curiosidade de quem encontra espécies raras ou em extinção. É uma realidade muito próxima e que não deveria causar tanta admiração não fosse esse abismo que nos separa. No fim do dia, ou melhor, do expediente, é mesmo cada um para o seu lado. E a vida segue.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Procuram-se fones de ouvido


Além do motorista e o trocador - muitas vezes reunidos na mesma pessoa -, outra figura cada vez mais comum nos transportes públicos é aquele indivíduo que fica ouvindo música no celular (em geral, funk ou pagode) sem usar os fones de ouvido, ou seja, em alto e nem tão bom som!

Independentemente do gosto musical - e acho que deixei bem claro qual não é o meu! -, é uma total falta de respeito com o espaço alheio. Ainda mais por se tratar de um lugar do qual não podemos abrir mão até a chegada ao nosso destino. Reclamar? É incorrer em um confronto desnecessário e gerará, no mínimo, o aumento do volume do som como forma de retaliação. Ouçamos resignados.

No país do "vale tudo" - e não me refiro à novela nem às artes marciais - o que é uma música alta dentro do ônibus? Se eu quero ouvir e você não, saia de perto ou desça do veículo. Ou como costumo fazer, ligo bem alto o rádio do meu celular; mas com os fones de ouvido, é claro!

São os pequenos gestos de respeito ao próximo que caracterizam um povo civilizado. E você? Ouve música alta no trem? Joga papel na rua? Fura a fila do cinema? Quer sempre tirar vantagem? Parabéns, você é digno do país que tem!

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Enquanto isso...


Momento meio confuso. Entrando no ritmo de volta ao trabalho, muitas coisas novas acontecendo e pouco tempo para refletir sobre a vida. Evitando o risco de escrever qualquer bobagem, deixo as palavras de quem soube usá-las com maestria:

"Há dois tipos de pessoas: os realistas e os sonhadores. Os realistas sabem aonde estão indo. Os sonhadores já estiveram lá." (William Shakespeare)

"O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais; há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo..." (Florbela Espanca)

"Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome." (Clarice Lispector)


segunda-feira, 8 de agosto de 2011

A ironia é elitista


"O riso é um mecanismo de seleção. Une as pessoas, mas também as separa. Quanto menos física se torna a comédia, quanto mais se afasta do pastelão e da careta na direção do outro extremo do arco, o espírito puro, o wit, a ironia fina, mais gente exclui do seu campo. Passa a depender pesadamente da linguagem e exige um grau de domínio de meios de expressão e referências culturais – e até uma certa predisposição ideológica para captar “a mensagem” – que costumam vir associados a uma boa formação educacional."

Verdade seja dita: é muito chato ter que explicar uma piada, né?!?

sábado, 6 de agosto de 2011

Das coisas simples da vida


Família reunida no final de semana.

Cerveja beeeemmm gelada no copo.

Churrasco com os amigos.

Cachorro fazendo festa quando você chega em casa.

Show da sua banda internacional favorita. Mesmo sendo caro!

Brigadeiro de festa infantil.

Ganhar uma festa de aniversário surpresa.

Receber um aumento de salário inesperado. Serve também bônus, promoção...

Piadas da internet.

Banho de mangueira num dia de verão.

Uma barra de chocolate só sua.

Cinema à tarde no meio da semana.

Ler um bom livro de uma só vez.

Uma xícara de capuccino numa tarde fria.

Episódios inéditos do seu seriado favorito.

Andar sem cueca.

Fazer uma dancinha idiota.

Queijos e vinhos.

Ficar descalço.

Brincar com e como crianças

Tirar fotos divertidas.

Poesia.

Sexo.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Quando havia reprovação


Eu estudava, tu estudavas, ele estudava. Hoje me dia, ninguém estuda, mas quase todo mundo passa. E muito disso por causa de um cômodo recurso pedagógico chamado dependência.

Na teoria, funciona assim: o aluno que ficar reprovado em até duas matérias, fará as mesmas no ano seguinte, assistindo às aulas em outro turno e cumprindo as tarefas que forem pedidas pelo professor, ou seja, as que ele não fez no tempo regular. Será que alguém acredita que isso funciona?!? E os alunos do turno da noite, que trabalham o dia inteiro??? Nem quando era aluno (vixi!) vi qualquer colega cumprir estas obrigações.

Na prática, o professor passa algum "trabalhinho" a pedido (sugestão) da direção para que o dependente obtenha êxito e a escola livre-se desse fardo. Afinal, temos que apresentar números favoráveis ao Governo, caso contrário, há algum problema na instituição. E adivinha quem paga o pago??? Os incompetentes e despreparados professores, é claro!

Lembro-me de que estudávamos para conseguir nota em todas as matérias; se faltasse uma, reprovação. O que pode parecer uma crueldade para as novas gerações, funcionava que era uma maravilha! Agora, o aluno elege as disciplinas que tem chance de passar, descartando as outras para o próximo período letivo. Vida fácil que reserva um futuro difícil.

E assim caminha a educação do nosso país.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

"Extilo" Ném (Pra começar agosto rindo um pouquinho)




























sexta-feira, 29 de julho de 2011

A preço de banana



Amanhã tem festinha para o sorteio das eliminatórias da Copa. Dizem que os gastos giram em torno de 30 milhões e a Fifa afirma que não tem nada a ver com os gastos. De onde vem a grana, então? Enquanto isso, Nova Friburgo continua aos escombros, boeiros explodem pela cidade, professores estaduais em greve... É incrível nossa passividade! Fosse na Europa, ou mesmo em alguns países da América Latina, haveria protesto e carros em chamas.

Radicalismos à parte, nos acostumamos a ser o país das festas, do carnaval, do futebol, que fecha os olhos para a realidade e a tudo aplaude, com tudo se emociona. Depois de tanto tempo renegados ao papel de terceiro mundo, eterna colônia, vivendo de esmolas, algumas pequenas vitórias nos fazem acreditar que somos os novos donos do mundo, o país de um futuro que nunca chega. E a gente se veste de verde e amarelo para esquecer que a situação continua preta.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Back to black


E lá se foi Amy Winehouse. Mais um talento atormentado incapaz de encarar a realidade. Como somos capazes de tal cinismo?

Perde a música, perdemos todos nós.

R.I.P.

sábado, 16 de julho de 2011

Números da popularidade


Ainda estranho quando vejo tópicos de divulgação de blogs do tipo "Sigo quem me segue" ou quando alguém deixa uma mensagem apenas para avisar "Tô te seguindo". Quando comecei a escrever textos na internet, divulgava minha página visitando outras que também me interessassem e, quem tivesse curiosidade retribuía a gentileza. Nada obrigatório, apenas identificação com os textos. E assim, conquistei amigos e leitores fiéis. Nunca segui quem me segue apenas para agradar ou ter um seguidor a mais. Afinal, de que adianta ter muitos seguidores, mas poucos leitores?

O mesmo acontece com as redes sociais. O que fazer quando a filha adolescente daquele vizinho que você só cumprimenta quando esbarra na escada te pede para ser adicionada??? Ou o filho da sua prima que tem apenas seis anos de idade??? Em geral, adiciono para não gerar traumas infanto-juvenis, mas removo na primeira "faxina" virtual. Já ouvi conversas entre jovens sobre quantos amigos cada uma tem no Orkut, mesmo que a maioria não tenha qualquer papel significativo no mundo real. Apenas números, mas que geram a vã ilusão de ser influente, visto, ouvido ou amado.

Escrevo porque gosto, preciso, sinto falta. Sigo quem diga algo que me interesse. Sou amigos dos meus amigos, colegas de trabalho e familiares. O resto são números e meu negócio é a Língua Portuguesa, não a Matemática.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Dia do Homem

E então, eis que chega o tal "Dia do Homem". Não sei se já existe há muito tempo, mas este ano foi a primeira vez que ouvi falar na data. Aos invés de ganharmos presentes, como as mulheres, recebemos incentivo para cuidarmos da saúde. Uma boa noite de sexo já seria um ótimo regalo, além ajudar na melhoria do bem estar de qualquer homem. Só aqui no Brasil a data é comemorada hoje, 15 de julho, no resto do mundo, em 19 de novembro. Por quê? Outra coisa que não sei explicar. A causa é nobre, pois a maioria dos homens considera o hábito de ir ao consultório médico o último recurso. É uma maneira (idiota) de demonstrar força e resistência. Coisa de macho. Embora a ideia seja boa, considero mais uma data que vai passar praticamente em branco no nosso calendário. Se ao menos fosse feriado...

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Inverno é um inferno



Há quem goste do inverno porque diz que as pessoas se vestem melhor, ficam mais elegantes e não tem aquele suadouro do verão. Até concordo, mas como sou nativo da tribo "Pocarropa", esses argumentos não são suficientes para me convencer a gostar desse frio de matar. Literalmente. Até gosto de um temperatura amena, tipo outono ou clima de serra durante o verão, mas sair de casa carregando dez quilos de casacos sobre o corpo não faz minha cabeça.

Com exceção da hora de dormir - a única coisa para qual o frio é bom -, todo o resto é um sacrifício!!! A começar pela manhã. Quem fica feliz em sair debaixo do edredon às seis da madrugada??? Nesse tempo, o expediente deveria começar mais tarde ou quando (e se) a temperatura aumentasse. Lavar o rosto, tomar banho... tudo que envolva água congela e dói. É, o pior de tudo é que o frio dói. E sentar no vaso sanitário, então!?! Chego a ter prisão de ventre só de pensar!!! Vale aqui uma menção honrosa a quem inventou a tábua aquecida.

De positivo, destaco as comidas e bebidas. Afinal, um bom vinho no fim de noite tem o seu valor. Além disso, é muito gostoso ver um filme debaixo das cobertas e bem acompanhado. O que vem em seguida é ótimo em qualquer estação, hehehe. E para quem gosta de dormir de conchinha - o que não é o meu caso, pois me mexo demais -, é um prato cheio! Apesar disso tudo, tenho vontade de conhecer e brincar na neve. Mas não aqui no Brasil! Deixo para quando for à Nova York...